Projeto sobre recondução de Conselheiros Tutelares pode ser votado na próxima semana
26 de junho de 2018
Projeto sobre recondução de Conselheiros Tutelares na pauta da CSSF
10 de julho de 2018

Ativismo Judicial

O projeto que considera crime de responsabilidade dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a usurpação de competência do Poder Legislativo  é de autoria do deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ). O projeto leva a assinatura de outros 23 parlamentares que apoiaram a iniciativa de Sóstenes.

O projeto também vem recebendo apoio de entidades Pró-Vida e recentemente foi defendido em um seminário promovido na Câmara dos Deputados contra a descriminalização do aborto no Brasil.

De acordo com os apoiadores, o projeto de Sóstenesé a resposta para que ações como a ADPF 442 (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental –) em que o Psol pede que o Supremo declare inconstitucionais os artigos do Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) que criminalizam a mulher que realiza ou autoriza um aborto, assim como os profissionais que o fazem.

A proposta altera a Lei do Impeachment (Lei 1.079/50), que traz as regras para afastamento de presidente da República, ministros do STF, procurador-geral da República e governadores, por crime de responsabilidade. O objetivo da proposta, segundo os deputados, é evitar que as decisões do STF esvaziem as atribuições do Congresso Nacional.

“A doutrina jurídica recente tem realizado diversas tentativas para justificar o ativismo judiciário. Este ativismo, se aceito pela comunidade jurídica, fará com que o Poder Judiciário possa usurpar a competência legislativa do Congresso”, disse Sóstenes Cavalcante.

A Lei do Impeachment define seis hipóteses para crime de responsabilidade de ministro do STF: descumprir normas orçamentárias; alterar, exceto por via de recurso, decisão já proferida em sessão do tribunal; proferir julgamento, quando, por lei, é suspeito na causa; exercer atividade político-partidária; proceder de modo incompatível com a honra, dignidade e decoro de suas funções e ser negligente no cumprimento dos deveres.

O recebimento da denúncia e o julgamento dos ministros do Supremo são feitos pelo Senado.

Atualmente, o projeto está pronto para pauta na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), e está sujeito a apreciação no Plenário.

Compartilhe